Pesquisar

Desembarques em Lampedusa elevam chegadas de migrantes na Itália a mais de 125 mil em 2023

Número já supera os mais de 105 mil migrantes que desembarcaram na Itália em 2022

A ilha italiana de Lampedusa recebeu, entre segunda-feira, 11, e sexta-feira, 15, cerca de 10 mil migrantes, elevando o total de chegadas à Itália pelo Mediterrâneo Central a 125 mil pessoas. Segundo a OIM, mais de 2 mil migrantes já morreram na região desde janeiro.

A casa de acolhida de Lampedusa atualmente tem capacidade para atender 600 pessoas e havia sido esvaziada recentemente após transferências de migrantes para outras regiões da Itália, mas agora luta para atender a todos os que chegam.

Segundo a Cruz Vermelha Italiana (CRI), nessa sexta-feira, 15, pelo menos 3.800 migrantes ainda estão em Lampedusa. “Cerca de 700 transferências foram realizadas esta manhã e um total de mais de 2.500 pessoas deverão deixar o hotspot hoje”, disse o presidente da CRI, Rosario Valastro. Na quinta-feira, 14, a organização distribuiu 10 mil refeições no local.

Na madrugada de quarta-feira, 13, uma bebê de cinco meses morreu ao cair no mar durante uma complexa operação de desembarque. No total, 2.078 migrantes morreram no Mediterrâneo Central desde janeiro, um aumento de cerca de 46% em relação a 2022, quando foram registradas 1.417 mortes ou desaparecimentos na região.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 105.131 migrantes chegaram à Itália pelo Mediterrâneo Central em todo o ano de 2022. Caso os números continuem a aumentar, 2023 pode superar os mais de 181 mil migrantes que chegaram ao país em 2016, o maior número já registrado. Naquele ano, 4.578 pessoas morreram ou desapareceram no Mediterrâneo.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2024
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]