Pesquisar

Metade da população de Gaza está “amontoada” em Rafah, diz chefe humanitário da ONU

Mais de 27 mil pessoas já morreram desde o início da guerra, em 7 de outubro

De acordo com o Subsecretário-Geral para Assuntos Humanitários da ONU, Martin Griffiths, após cinco meses de guerra, mais da metade da população de Gaza esta “amontoada” em Rafah, no sul do enclave. Cerca de 27.500 pessoas já morreram em decorrência da guerra.

De acordo com o chefe humanitário da ONU, Rafah, próximo à fronteira do Egito, tinha originalmente 250 mil habitantes, mas, com os intensos ataques no norte do enclave, recebeu pelo menos metade da população de Gaza, cidade que tinha cerca de 590 mil habitantes. “As suas condições de vida são péssimas – faltam-lhes as necessidades básicas para sobreviver, perseguidos pela fome, doenças e morte”, afirmou Martin Griffiths em declaração.

Estimativas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) apontam que pelo menos 1,7 milhão de pessoas (cerca de 75% da população) estão deslocadas dentro da Faixa de Gaza, algumas delas tendo sido deslocadas várias vezes.

Segundo dados do Ministério da Saúde de Gaza, pelo menos 27.478 pessoas já foram mortas em Gaza durante os cinco meses de guerra, sendo que 70% dos mortos são mulheres e crianças. Além disso, pelo menos outros 66.835 palestinos foram feridos em ataques.

Para a OCHA (Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários), o surgimento de novos combates em Rafah aumenta o risco de gerar a morte de ainda mais pessoas. “Corre também o risco de dificultar ainda mais uma operação humanitária já limitada pela insegurança, infraestruturas danificadas e restrições de acesso”, afirmou Griffiths.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2024
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]