Pesquisar

Policiais são investigados por morte de imigrantes em incêndio no México

Incêndio matou 38 homens da América do Sul e Central

O México abriu uma investigação por homicídio contra oito policiais depois do incêndio que matou 38 migrantes em Ciudad Juárez na segunda-feira, 27. Em imagens de uma câmera de segurança é possível ver os guardas andando enquanto a fumaça se espalha, sem abrir a porta da cela.

O vídeo começou a circular nas redes sociais na terça-feira, 28. Nele, podem ser vistas três pessoas uniformizadas passando em frente a cela sem tentar abrir a porta. Após algum tempo, a fumaça espessa encobre a imagem e não é mais possível ver a cela. O ministro do Interior, Adán Augusto López, confirmou a veracidade do material.

De acordo com as autoridades, o incêndio começou após alguns dos imigrantes detidos atearem fogo em colchões como protesto após descobrirem que seriam deportados. Uma investigação está em andamento para determinar o que aconteceu durante a tragédia.

Todas as 38 vítimas do incêndio eram homens adultos de países da América do Sul e Central. Além deles, pelo menos 29 outros ficaram feridos. As mulheres detidas no centro foram retiradas com segurança do local.

As identidades e nacionalidades dos migrantes falecidos ainda não foram divulgadas, mas, de acordo com o Instituto Nacional de Migração (INM) do México, estavam detidos no centro homens da Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras e Venezuela.

Durante a audiência geral de quarta-feira, 29, o Papa Francisco pediu orações pelos migrantes falecidos. “Rezemos pelos migrantes que faleceram ontem num trágico incêndio em Ciudad Juárez, no México, para que o Senhor os receba em seu Reino e dê consolo às famílias. Rezemos por eles”, pediu o Papa.

Na quarta-feira, os moradores organizaram um altar com velas em frente ao centro de imigrantes. Parentes das vítimas reclamam de falta de informação sobre o estado de saúde dos feridos, que foram transferidos a quatro hospitais da região.

De acordo com dados do projeto Missing Migrants, da Organização Internacional para as Migrações (OIM), desde 2014, estima-se que 7.667 migrantes morreram ou desapareceram em rotas migratórias nas Américas. Desse total, pelo menos 4.400 aconteceram enquanto os migrantes tentavam cruzar a fronteira entre EUA e México.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
maio 2024
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]