Pesquisar

ACNUR alerta para mortes de crianças refugiadas no Sudão devido à crise humanitária

Mais de 4 milhões de pessoas estão internamente deslocadas no Sudão

O ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, alertou na terça-feira, 19, para a morte de cerca de 1.200 crianças refugiadas no Sudão. O país vive conflitos entre o exército sudanês e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (RSF, na sigla em inglês) desde abril, que já deslocaram mais de 5 milhões de pessoas.

De acordo com a agência da ONU, entre 15 de maio e 14 de setembro, mais de 1.200 crianças refugiadas com menos de 5 anos morreram no estado do Nilo Branco, no Sudão, “devido a uma combinação mortal de um suposto surto de sarampo e uma elevada desnutrição”, informou em comunicado.

Além disso, outros 3.100 casos suspeitos foram notificados no mesmo período e mais de 500 casos suspeitos de cólera foram notificados em outras partes do país, além de surtos de dengue e malária.

Segundo o ACNUR, os repetidos ataques às instalações de saúde desde o início do conflito, além da falta de pessoal, medicamentos e equipamento, impedem a prestação de serviços de saúde.

No Sudão do Sul, cada vez mais crescem os relatos de crianças do Sudão, principalmente do Nilo Branco, que chegam com sarampo e altas taxas de desnutrição. De acordo com o ACNUR, em todo o Sudão do Sul, foram notificados mais de 5.770 casos suspeitos de sarampo, com 142 mortes, sendo as crianças com menos de 5 anos as mais afetadas, sendo responsáveis por cerca de 70% por cento dos casos e 76% das mortes.

“A situação é igualmente preocupante na região de Amhara, na Etiópia, onde um surto de cólera em Metema está a evoluir rapidamente em locais que acolhem mais de 18 mil pessoas que fugiram do conflito no Sudão”, informou a agência. Pelo menos oito pessoas morreram de cólera entre 435 casos suspeitos notificados na região.

De acordo com dados do ACNUR, 5.374.902 pessoas já foram deslocadas interna e externamente em decorrência dos conflitos no Sudão, dos quais 4.118.119 se deslocaram dentro do país. Outros 1.068.839 migraram para países vizinhos, sendo a maioria para o Chade (418,187), seguido por Egito (310,000), Sudão do Sul (25,742) e Etiópia (25,447).

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
abril 2024
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]