Pesquisar

Celebrando os 25 anos da ALUZA

Os 25 anos da Associação Luz da Aurora (ALUZA) foram celebrados realçando o nível do divino, que deu origem e anima esta obra. Em celebração, está sendo organizado o livro “LUZ PARA UMA VIDA SAUDÁVEL”, com temas usados na formação em Naturopatia.

A obra da ALUZA foi suscitada pelos ventos do espírito, que sopraram, no Vaticano II, onde ecoou a voz dos bispos da América Latina, destacando a ação de Dom Helder Câmara, ao lado de grandes teólogos como o Pe. Yves Congar, dominicano, defensor de uma Igreja dos pobres e figuras de relevo, na dinâmica do Concílio. Uma dessas figuras era o Cardeal Suenens, da Bélgica, arcebispo de Bruxelas, que estava na Comissão de Assuntos Extraordinários do Concílio e organizou um Secretariado especial para as questões da Pobreza e do Terceiro Mundo.

O Pe. João Almendra acolheu o dinamismo conciliar que apresentava um novo rosto de Igreja, aberta para a transformação do meio. Antes de ir para a ação missionária em Moçambique foi para o Brasil, em Teófilo Otoni – MG, onde se encontrou com um dos ícones do Vaticano II, Dom Aloísio Lorscheider, que ministrava um retiro, nos moldes do ambiente do Vaticano II. Com os colegas que comungavam desse espírito treinou o trabalho da Igreja das Cebs, para aplicar na organização da Paróquia de Nª Sª Aparecida de Mavalane – Moçambique, da qual foi o primeiro pároco, construindo 5 comunidades. Envolveu várias congregações religiosas nessa organização. Entre elas estava a da Madre Teresa de Calcutá com os mais pobres dos pobres. Para as escolas ajudou o Instituto da Madre Clélia, as Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus.

Em 1989 o Pe. João fez uma parada para fazer, no Brasil, uma análise da prática pastoral, com um grupo da América latina, que se reunia para esse efeito, em Caxias do Sul – RS. Completando meio ano deste estudo, com mais alguns meses na Universidade de Nª Sª da Assunção em são Paulo, voltou para Moçambique. Foi escolhido para Coordenador dos missionários da Boa Nova em Moçambique e também fazia a articulação da ação dos missionários que do Brasil iam para Moçambique. Nesse trabalho teve particular atenção com o projeto de Igrejas solidárias Brasil-Moçambique, que ajudou a lançar em 1992 e depois foi acompanhando os bispos que iam visitar os missionários. O primeiro deles foi Dom Laurindo Guizzardi, Scalabriniano.

Entre as comunidades de Missionários do Brasil estavam as Irmãs Scalabrinianas, que trabalhavam em Ressano Garcia, e as irmãs do Coração de Maria que trabalhavam no Norte de Moçambique. Foi através destas duas congregações que Pe. João preparou o caminho do seu sonho de organizar uma obra no Brasil.

As Irmãs Scalabrinianas, através da Irmã Maria do Rosário Onzi, abriram o caminho para o Pe. João ir residir alguns meses na paróquia de Alvorada – RS para se aprofundar no trabalho de Bioenergética, que já estava usando em Moçambique, mas precisava se enquadrar nesses trabalhos no Brasil. As Irmãs do Coração de Maria, através da Irmã Berta, que trabalhava em uma Clínica anexa ao Colégio Madre Imilda, acolheram o Pe. João, enquanto a Providência o orientava para o local onde deveria organizar a obra, que segundo os seus desígnios devia lançar.

Foi numa iluminação, na capela do Colégio Madre Imilda, que lhe foi apontado Porto Alegre – RS. De imediato ligou para o Pe. Vitor Hugo, a quem havia acompanhado na visita aos missionários brasileiros, do projeto de Igrejas Solidárias Brasil-Moçambique, falando do desejo de visitar a Dom Altamiro, Arcebispo de Porto Alegre, oferecendo-se para trabalhar na arquidiocese.

Dom Altamiro acolheu, de bom grado, o Pe. João e lhe deu em 13 de outubro de 1998 a Provisão de Vigário paroquial da paróquia de Santa Ana. Ainda no Colégio Madre Imilda, em Caxias do Sul, o Pe. João foi preparando-se para o trabalho da saúde com as Irmãs Scalabrinianas, e por isso se organizou para residir algum tempo, com o Pe. Libanor, da paróquia de Alvorada – RS.

Em janeiro de 1999 o Pe. João assumiu o enquadramento no trabalho na arquidiocese de Porto Alegre, como Vigário paroquial da paróquia de Santa Ana, no Morro Santana, e passa a residir nessa paróquia, tendo como excelente companheiro e Pároco, o Pe. Alexandre Gribler.

No mesmo ano Pe. João deu início a atuação com as Terapias Integrativas, em um espaço provisório, em uma sala alugada, na Rua dos Andradas, centro de Porto Alegre – RS. Desde então se encaminharam as etapas seguintes, sendo a 1ª sede da ALUZA, até 2010, na Av. Júlio de Castilhos, Nº440/134, com uma linda vista para o rio Guaíba. Neste local muitos trabalhos aconteceram (cursos de formação na linha da medicina natural e atendimentos terapêuticos), que foram dando alicerce à Obra Luz da Aurora.

Desde a fundação a Ir. Iraci M. Senter passou a fazer parte deste projeto, realizando a atenção farmacêutica e administrando a obra. A atuação Scalabriniana foi intensificada em 2010, quando a obra passou para um novo endereço: Rua Santo Antônio, Nº 308, Bairro Independência, Porto Alegre, RS, num espaço mais amplo, com mais conforto e qualidade ao serviço prestado, agregando mais Irmãs Scalabrinianas, que marcaram sua presença com entusiasmo e amor ao projeto. Neste novo espaço foi anexado, paralelamente, a Luz da Aurora – Farmácia e Produtos Naturais Ltda, na Rua Santo Antônio nº 306, Bairro Floresta, POA, RS – sob a responsabilidade técnica da Irmã Iraci.
Assim, segue a vida da ALUZA construindo o BEM COMUM!

Neste ano celebramos os 25 anos da ALUZA. Nossa eterna gratidão a Deus Pai, que tem no céu uma equipe de protetores (Madres Assunta Marchetti, Teresa de Calcutá e São João Batista Scalabrini) que dão vida a esta obra. No capítulo 7º de seu Estatuto, a ALUZA é apresentada como pessoa jurídica. Através das Atas são citadas as Irmãs Scalabrinianas Associadas, que fazem esta obra acontecer. São elas: Iraci Maria Senter, Maria Potric, Dolores Roman Ross, Claudete Ana Lodi Rissini, Luiza Dal Moro, Salete Migliavaca, Idalina Pellegrini, Ana Rita Moreira Santos e Cirlene Sasso.

As Irmãs, com a sua engenhosa e generosa dedicação, seu abnegado trabalho e arte, fazem acontecer a organização, o desenvolvimento e a manutenção desta obra de Deus. Englobamos nos agradecimentos da construção da ALUZA, a preciosa ação de leigos colaboradores. A Irmã Neusa de Fátima Mariano, por ocasião da sua visita canônica às irmãs da comunidade Nossa Senhora da Conceição, que trabalham e residem na sede da ALUZA, teve a oportunidade, em 12/03/24, de escutar dos próprios leigos, não só o valioso apoio que eles prestam, mas, também, de apresentar a hipótese de se organizarem para entrarem no movimento dos leigos Scalabrinianos.

Para a celebração dos 25 anos está sendo organizado um livro com alguns temas que são usados na formação em Naturopatia e um PowerPoint como meio de reflexão, que foi usado no dia da celebração. O livro, intitulado “LUZ PARA UMA VIDA SAUDÁVEL”, é dividido em 7 capítulos, que mostram o que é, para a ALUZA, vida com saúde.

Por Pe. João M. Almendra, Presidente da ALUZA, e Ir. Iraci M. Senter, Administradora, com a Equipe de Comunicação

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
julho 2024
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]