Pesquisar

ACNUR e UNICEF “muito alarmados” com crise de deslocados na RDC

Mais de 3 mil violações de direitos humanos foram registradas na RDC em outubro

O ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, e a UNICEF, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, estão “muito alarmados com a escalada da crise que se desenrola mais uma vez no leste da República Democrática do Congo (RDC)”, segundo um porta-voz do ACNUR. Mais de 1 milhão de pessoas da RDC estão deslocadas internacionalmente.

De acordo com o ACNUR, nas últimas seis semanas mais de 450 mil pessoas foram deslocadas por conflitos entre forças governamentais e grupos armados não estatais nos territórios de Rutshuru e Masisi, na província de Kivu do Norte. No total, segundo a Agência, pelo menos 6,9 milhões de pessoas estão internamente deslocadas na RDC.

“A gravidade da crise é ainda agravada pelo acesso humanitário limitado às pessoas em extrema necessidade, principalmente devido à obstrução das principais rotas”, segundo o porta-voz da Agência, que afirma que cerca de 200 mil pessoas internamente deslocadas estão retidas com acesso restrito à ajuda humanitária.

De acordo com o ACNUR, mais de 3 mil violações de direitos humanos foram denunciadas em outubro. “As violações e os assassinatos arbitrários aparecem com destaque nestes resultados, juntamente com os raptos, a extorsão e a destruição de propriedade”, afirmou o porta-voz, que destacou que o aumento da violência tem tido um impacto “devastador” para as crianças.

A Agência destaca que o número total de violações contra crianças entre julho e setembro de 2023 registrou um aumento de 130% em comparação aos dados de 2018. Além disso, mais de 450 casos de recrutamento e utilização de crianças por grupos armados foram registrados no mesmo período, um aumento de 50% em relação ao primeiro semestre do ano.

Segundo o ACNUR, mais de 1 milhão de pessoas da RDC estão em busca de refúgio, sendo 502.407 solicitantes apenas na Uganda. Em seguida, aparecem a Tanzânia, com 89.017 solicitantes, o Burundi, com 86.799, o Ruanda, com 79.606, e a Zâmbia, com 59.943.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2024
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]