Pesquisar

Governo brasileiro realizou doação de 18 toneladas de alimentos a refugiados da Etiópia

Região que recebeu a doação acolhe cerca de 385 mil refugiados

O governo brasileiro anunciou na terça-feira, 20, a doação de purificadores de água e 18 toneladas de alimentos aos refugiados atendidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) na região de Gambela, na Etiópia. A doação aconteceu no sábado, 17, em Adis Abeba, capital da Etiópia, em cerimônia que contou com representantes dos dois países e da Agência da ONU.

Foram entregues ao todo 65 purificadores de água portáteis, cada um com capacidade para purificar mais de 5 mil litros de água por dia, além de 10 toneladas de alimentos nutritivos desidratados, 4 toneladas de arroz parboilizado orgânico, 4 toneladas de leite em pó (estes dois últimos produzidos e doados pelo Movimento dos Trabalhadores sem Terra – MST). Os itens doados serão destinados a campos de refugiados na região de Gambela, que acolhe mais de 385 mil pessoas.

A entrega simbólica da doação foi feita pela primeira-dama brasileira Rosângela Lula da Silva, em cerimônia com a participação do representante do ACNUR na Etiópia, Andrew Mbogori, da diretora-geral do Serviço de Refugiados e Retornados, daquele país, Teyiba Hassen, e do Coordenador-Geral de Cooperação Humanitária da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Ministro José Solla.

Na cerimônia de entrega das doações, o representante da ABC reiterou que a África é prioridade da política externa do Brasil. “A ABC vai fortalecer a presença no continente africano, e já estamos trabalhando nisso. O privilégio da presença aqui hoje da primeira-dama do Brasil é uma clara demonstração das instruções presidenciais a todo o governo do Brasil em relação à África”, afirmou.

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), a Etiópia tem pelo menos 3,45 milhões de deslocados internos, sendo que conflitos (64%) são a principal causa. Em seguida vem as secas (17%) e tensões sociais (9%). Segundo a OIM, a região Somali acolhe o maior número de deslocados internos devido à seca, enquanto a região de Tigray acolhe o maior número de deslocados internos devido a conflitos.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação, com informações do Ministério das Relações Exteriores

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
abril 2024
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]