Pesquisar

Papa, tráfico humano: vítimas sofrem a indiferença e o descarte da sociedade

Mais de 51 mil vítimas de tráfico humano foram identificadas em 2020, segundo a ONU

No domingo, 30, após a oração do Angelus, o Papa Francisco recordou duas celebrações promovidas pela ONU em 30 de julho: o Dia da Amizade e o Dia Contra o Tráfico de Pessoas. O tema do Dia Contra o Tráfico de Pessoas de 2023 foi “Alcance todas as vítimas do tráfico, não deixe ninguém para trás”.

“O primeiro, promove a amizade entre povos e culturas; o segundo, combate o crime que transforma as pessoas em mercadoria”, disse Francisco, que ressaltou que “o tráfico humano é uma realidade terrível, que afeta várias pessoas: crianças, mulheres, trabalhadores…, muitas pessoas exploradas.”

O Papa destacou, ainda, que as pessoas vítimas do tráfico humano “vivem em condições desumanas e sofrem a indiferença e o descarte da sociedade. Há muito tráfico de pessoas no mundo hoje! Deus abençoe aqueles que estão engajados na luta contra o tráfico humano.”

Segundo dados da ONU, o número de vítimas de tráfico humano caiu 11% em 2020, quando comparado a 2019, impulsionado por menos detecções em países de baixa e média rendas. Em 2020, foram registradas 51.675 vítimas em 166 países, sendo a maioria (42%) mulheres.

Em 2020, a maior parte das vítimas foi traficada para fins de trabalho forçado (38,8%), seguida de perto pelo tráfico para exploração sexual (38,7%). Outros tipos de exploração destacados pela ONU são: formas mistas (10,3%), atividade criminosa formal (10,2%), casamento forçado (0,9%), mendicância exploradora (0,7%), adoção ilegal (0,3%) e remoção de órgãos (0,2%).

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação, com informações da ONU News e Vatican News

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
junho 2024
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]