Pesquisar

Nos últimos dez anos, quase 80.000 pessoas receberam residência permanente no Uruguai

Maioria das autorizações de residência permanente no Uruguai são de argentinos e venezuelanos

De acordo com dados do Ministério de Relações Exteriores do Uruguai, nos últimos dez anos 79.840 pessoas receberam autorização de residência permanente no país. Cerca da metade das autorizações foram concedidas a cidadãos da Argentina, seguidos por cidadãos da Venezuela. Além deles, cidadãos de outros países da América do Sul que tem a residência facilitada também obtiveram a autorização.

De acordo com o relatório, entregue como resposta a um pedido do deputado Martin Melazzi, 43% do total de autorizações foram dirigidos a cidadãos argentinos, totalizando 34.174 licenças concedidas desde 2014, quando começam os dados do relatório. Com exceção de três anos, no restante do período os pedidos vindos da Argentina representaram a maioria.

De acordo com os dados, que terminam em 29 de dezembro de 2022, os venezuelanos são a segunda nacionalidade que mais recebeu autorizações de residência. No total, foram 20.036 solicitações atendidas na última década.

Em terceiro lugar, segundo o Ministério de Relações Exteriores, estão os brasileiros, que totalizaram 10.239 autorizações de residência desde 2014. No mesmo período, 4.340 colombianos, 3.432 peruanos, 1.585 chilenos, 1.049 paraguaios, 836 bolivianos e 647 equatorianos também obtiveram autorizações de residência permanente no Uruguai.

De acordo com o Ministério, o pico geral aconteceu no ano de 2021, quando 12.685 autorizações foram concedidas, sendo a maioria para cidadãos da Argentina (10.398). Nesse ano, os venezuelanos tiveram 788 residências concedidas.

Em 2022, o número de procedimentos concluídos diminuiu, totalizando 9.666 residências concedidas. Mais da metade (5.033) correspondia aos argentinos e 1.732 aos venezuelanos. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Uruguai, no final do ano passado haviam 11.553 solicitações de residência permanente em andamento, sendo quase todas de argentinos e venezuelanos, que correspondem a 4.468 e 4.379 pedidos, respectivamente.

Segundo dados da plataforma R4V, em dezembro de 2022 haviam 27,5 mil migrantes e refugiados da Venezuela registrados no Uruguai, de um total de mais de 6 milhões em toda a América Latina.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2024
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados

[elfsight_whatsapp_chat id="5"]